Carregando...
DIARTNotícias

A História do Soldado, de Stravinsky

Nos dias 14 e 16 de fevereiro, O Grande Teatro Cemig Palácio das Artes recebe o espetáculo A História do Soldado, de Igor Stravinsky.

Depois do sucesso das apresentações de setembro de 2018 e de agosto de 2019 de A História do Soldado, o público poderá conferir novamente a união da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e da Cia. de Dança Palácio das Artes com o ator e humorista Saulo Laranjeira. O espetáculo integra a 46ª Campanha de Popularização Teatro & Dança. Os ingressos podem ser adquiridos em todos os pontos de vendas do Sinparc, a preços promocionais e únicos de R$ 10,00. Nos dias das apresentações os ingressos também podem ser comprados na bilheteria do Palácio das Artes, uma hora antes do espetáculo, vide disponibilidade, por R$ 25,00 a inteira e R$ 12,50 a meia.

Com regência de Silvio Viegas, a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais participa com formato reduzido, seguindo as exigências da própria partitura de Stravinsky, com os naipes de Corda (violino e contrabaixo), de Sopro (clarineta, fagote, trompete e trombone) e Percussão. Já a Cia. de Dança leva ao palco oito bailarinos, revezando a interpretação dos três personagens principais da história: o Soldado, o Diabo e a Princesa. Para completar o elenco da montagem, o ator e humorista mineiro Saulo Laranjeira empresta sua voz a um dos personagens mais instigantes da história, o Narrador.

Obra versátil – Escrita em um período de devastação no continente europeu devido ao fim da Primeira Guerra Mundial, a composição reflete o clima que assolava a região. A proposta de Stravinsky, com a obra, era proporcionar um momento de alegria a seu povo, como explica o maestro Silvio Viegas. “Nessa época, os recursos eram mais escassos e, por isso, ‘A História do Soldado’ tem esse formato mais reduzido, lembrando uma miniópera ou um espetáculo de bolso. Mas essa alteração não diminuiu a beleza da composição”, destaca o regente.

Silvio Viegas também chama a atenção para a versatilidade da obra, que pode ser executada de maneiras diferentes. “Essa peça, em especial, tem várias formas de ser levada ao palco. Ela pode ser apenas um concerto de câmara ou uma obra encenada, com a presença de bailarinos e atores no palco. Há uma gama de possibilidades de mudanças de cores, o que é sempre muito interessante. Estamos escolhendo a nossa cor, que preza, principalmente, pela união dos corpos artísticos”, pontua.

Uma dança sinfônica – A Cia. de Dança Palácio das Artes propõe uma releitura da composição de Stravinsky, mesclando o virtuosismo da música sinfônica à abordagem vanguardista da dança contemporânea. A começar pelo elenco, formado por oito bailarinos do corpo artístico, que se revezará no palco entre as três personagens principais da história, ora interpretando de forma individual, ora em duplas. A coreografia propõe uma experiência inventiva. Sem utilizar objetos comuns à narrativa, como o livro do soldado e o violino, a dança estimula o público a sentir uma história que também é contada por meio de gestos e movimentos.

De acordo com Cristiano Reis, a proposta é mostrar que o resultado da mistura entre a dança contemporânea e a música sinfônica pode ser surpreendente.

“Nossa ideia é revisitar essa obra centenária a partir de um olhar próprio, com as vivências e experiências da Cia. de Dança para, então, desconstruir uma composição que já é clássica e permitir que a dança também ocupe, à sua maneira, aquele espaço”, comenta Cristiano Reis.

Minas Gerais na alma – A convite do maestro Silvio Viegas, Saulo Laranjeira participa do concerto interpretando o Narrador de toda a trama. Um dos mais consagrados nomes das artes cênicas no país, Saulo Laranjeira tem um currículo respeitável, passando por variadas produções, desde os dramas às comédias.

“O Saulo é um dos maiores artistas brasileiros. Ele carrega Minas Gerais na sua fala, na sua arte, na sua alma. Mesmo sendo conhecido do grande público por sua veia cômica, é uma experiência nova contemplar seu trabalho sob o olhar dramático que a obra de Stravinsky demanda. Ter um artista da grandeza do Saulo Laranjeira trabalhando em uma produção da Fundação Clóvis Salgado é motivo de imenso orgulho para nós”, comenta Silvio Viegas.

Saulo Laranjeira já interpretou trabalhos de grandes poetas como Camillo de Jesus Lima, e emprestou sua voz para a ópera “Auto da Catingueira”, obra de Elomar Figueira Mello. Narrar a história de Stravinsky é, para o artista, um dos momentos mais importantes de sua carreira.

“Com certeza o público pode esperar uma versão magnífica dessa obra encantadora de Igor Stravinsky, que ocupa um lugar importante na história da música do século XX. Estou muito feliz em trabalhar novamente com Sílvio Viegas, que é um maestro extraordinário, com uma trajetória artística impecável e um histórico brilhante à frente da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais. A participação da Cia. de Dança Palácio das Artes se destaca de maneira surpreendente, com uma coreografia belíssima e emocionante”, conclui Saulo.

  

Sinopse:

A composição de A História do Soldado narra o retorno de um soldado à sua terra natal, interrompido por um encontro inesperado com o Diabo, que lhe propõe uma troca. Ele sugere ao Soldado que lhe entregue seu violino (que representa sua alma), por um livro que lhe trará toda riqueza que ele possa imaginar. A princípio, o soldado não se interessa pela proposta, já que não sabe ler, mas o Diabo lhe convence que para a magia funcionar ele não precisa ter o conhecimento da leitura, o próprio livro fará com que ele leia. O Soldado aceita, mas o Diabo pede que ele o siga até sua casa para que possa ensiná-lo a tocar o violino. O que inicialmente parecia ter sido apenas três dias de aula, na verdade, foram anos. Desde então, o Soldado percebe que sua vida e felicidade estão ameaçadas em função dessa troca e ele tenta, a todo custo, se libertar das artimanhas do Diabo.

Este evento tem a correalização da APPA – Arte e Cultura.

 INFORMAÇÕES GERAIS 
 O quê? A História do Soldado, de Stravinskyil
 Quando? 14/02, às 20h30 | 16/02, às 19h
 Onde? Grande Teatro Cemig Palácio das Artes| Av. Afonso Pena, 1537. Centro. Belo Horizonte
 Entrada? R$10 (valor promocional) e R$25 (inteira). Ingressos.
 Informações para o público (31) 3236-7400