Carregando...
Notícias

Cia. de Dança Palácio das Artes estreia o vídeo documentário “Encontro a Céu Aberto: Mulheres”

Pelo projeto #PalácioEmSuaCompanhia, a Cia. de Dança Palácio das Artes (CDPA) lança o vídeo documentário “Encontro a Céu Aberto: Mulheres”, que será exibido no dia de 30 de junho de 2021, às 19h, no canal do YouTube da FCS. Trata-se da segunda obra referente ao processo de criação da intervenção de dança “Céu Aberto”, da CDPA. Dessa vez, foram abordadas as experiências das bailarinas que não só atuaram, como também participaram ativamente da intervenção como cocriadoras. O documentário é livre para todos os públicos e conta com concepção de Cristiano Reis, diretor da Cia. de Dança Palácio das Artes. Já a direção de “Encontro a Céu Aberto: Mulheres” é assinada pelo videomaker Kleber Bassa.

“A ideia é revelar parte dos processos criativos das bailarinas. Entender as estratégias que cada uma utilizou na criação do trabalho, visando o fazer artesanal da dança”, explica Cristiano Reis.  De forma intimista e poética, as nove bailarinas apresentam os espaços onde atuaram, e contam seus dilemas, sentimentos e inspirações que marcaram o processo de criação de cada uma durante a intervenção de dança “Céu Aberto”.

“Encontro a Céu aberto”, a primeira parte do projeto, foi exibido no ultimo mês de maio. O filme reuniu relatos sobre as experiências e os atravessamentos que a intervenção “Céu Aberto”, lançado em abril, proporcionou ao grupo de direção, composto por Christiano Castro, Jorge Ferreira e Lucas Resende, bailarinos da CDPA, com trilha sonora de Daniel Maia, e direção de arte e edição de Kleber Bassa.

O vídeo documentário “Encontro ao Céu Aberto: Mulheres”, da Cia. de Dança Palácio das Artes, integra o projeto #PalácioEmSuaCompanhia. É realizado pelo Governo de Minas Gerais e a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo, por meio da Fundação Clóvis Salgado, e correalizado pela Appa – Artes e Cultura. É patrocinado pela Cemig e Unimed-BH / Instituto Unimed-BH¹, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, além da Usiminas, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, com apoio do Instituto Usiminas.

¹ O patrocínio da Unimed-BH e do Instituto Unimed-BH é viabilizado pelo incentivo de mais de 5,2 mil médicos cooperados e colaboradores.

 

VARANDAS, QUINTAIS E O CICLO DO CÉU – Varandas, áreas privativas, quintais, terreiros e garagens se transformaram em cenários para que as bailarinas buscassem restabelecer a visualização e traçassem uma comunicação com o céu – que parece um tanto ausente, neste momento de distanciamento social.

Juntamente com o processo de criação da intervenção, a bailarina Amanda Sant’ana vivia toda a complexidade do início da maternidade. Morando em um apartamento de aproximadamente 70m2 e tendo que cuidar da Isabela – sua filha de cinco meses que, como todo bebê, requer cuidados quase que exclusivos -, Amanda revelou que estava sentindo-se sufocada no seu momento de criação.

“No início, gravei no estacionamento do meu prédio, mas, ao assistir aos vídeos, percebi que o material não condizia com o que estava sentindo. Depois, durante uma conversa com os diretores da intervenção, eles trouxeram a imagem de um vulcão. Foi aí que eu percebi que esse vulcão simbolizava exatamente o que estava vivendo. A minha sensação era de que eu iria explodir a qualquer momento. É muita pressão. Então, eu comecei a reparar na minha rotina, fui pegando esses elementos e formando a minha partitura coreográfica. A partir dessa imagem do vulcão, o meu céu se abriu, e eu consegui interpretar todo o sufocamento que eu sentia”, relembra Amanda.

Durante o processo de criação da intervenção, foi proposto às bailarinas que elas interpretassem momentos do ciclo manhã, tarde e noite, perceptíveis no céu por meio dos movimentos do sol e da lua, além de cores e formas. Por isso, alguns depoimentos do documentário foram dedicados à relação das artistas com o céu.

Conversando com Kleber Bassa – diretor do documentário – sobre o fim de tarde, em um cenário com por do sol, a bailarina Mariângela Caramati observou: “É meio morte. É o morrer do dia. É o fim de algo. Tem gente que não dá conta, mas eu gosto. Acho poético e acredito nisso: nos ciclos”. E completou: “O Céu Aberto vem com uma coisa de querer apreciar o céu. Eu sempre fui assim, apreciadora da natureza. Algo que sempre me nutriu”.

“Você é o seu próprio céu. Céu não é só olhar para acima”, recitou Ariane de Freitas. “Eu gostei muito dessa frase. Depois um amigo me confirmou que, ao ver esse trabalho, ele poderia ver o céu através de mim, porque eu realmente via muito o céu, ao dançar”.  Ao final de seu depoimento, Ariane indagou: “Gostaria apenas de deixar uma pergunta. Como aprender a ser céu? É possível respirar as maravilhas e deixar o céu dançar? Lembrar que o céu sempre se abre”, encerrou a artista.

CIA DE DANÇA PALÁCIO DAS ARTES – Corpo artístico da Fundação Clóvis Salgado – é reconhecida como uma das mais importantes companhias do Brasil e é uma das referências na história da dança em Minas Gerais. Foi o primeiro grupo a ser institucionalizado, durante o governo de Israel Pinheiro, em 1971, com a incorporação dos integrantes do Ballet de Minas Gerais e da Escola de Dança, ambos dirigidos por Carlos Leite – que profissionalizou e projetou a Companhia nacionalmente. O Grupo desenvolve hoje um repertório próprio de dança contemporânea e se integra aos outros corpos artísticos da Fundação – Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e Coral Lírico de Minas Gerais – em produções operísticas e espetáculos cênico-musicais realizados pela Instituição ou em parceria com artistas brasileiros. A Companhia tem a pesquisa, a investigação, a diversidade de intérpretes, a cocriação dos bailarinos e a transdisciplinaridade como pilares de sua produção artística. Seus espetáculos estimulam o pensamento crítico e reflexivo em torno das questões contemporâneas, caracterizando-se pelo diálogo entre a tradição e a inovação.

O quê? Cia. de Dança Palácio das Artes (CDPA) lança o vídeo documentário “Encontro a Céu Aberto: Mulheres”
 Quando? 30/06
 Entrada? Gratuita
 Informações para o público (31) 3236-7400