Carregando...
DIPRONotícias

Geraldo Carneiro participa de Live sobre a inédita formação de dramaturgia operística no Brasil

“O Brasil possui um antecedente extraordinário que é o Carlos Gomes, compositor de ópera. Mas o nosso país – relativamente colonizado – não se tornou produtor de dramaturgia de ópera. O Brasil sempre foi receptor e não criador. Hoje, há uma grande afluência de compositores desejando escrever ópera, além de uma democratização dos espaços operísticos, que durante muito tempo era reservada à elite dos países europeus e também, em certo momento, aos americanos. Desta forma, o que estamos propondo com o Ateliê de Criação, da Academia de Ópera, é uma iniciativa inaugural e sem precedentes no Brasil. É o novo mundo das Américas sonhando com a construção de uma nova tradição operística livre das amarras do passado e desejando algo para o futuro”.

É com essa análise contundente que Geraldo Carneiro – libretista, letrista, poeta, roteirista, tradutor e membro da Academia Brasileira de Letras – dimensiona o Ateliê de Criação: Dramaturgia e Processos Criativos”, atividade da Academia de Ópera, ação que integra a Temporada de Ópera On-line 2021, realizada pela Fundação Clóvis Salgado e apresentada pelo Instituto Unimed BH.

Com curadoria do maestro Gabriel Rhein-Schirato e da encenadora de ópera Livia Sabag, o “Ateliê de Criação: Dramaturgia e Processos Criativos” consiste em uma formação gratuita e inédita no Brasil sobre dramaturgia voltada para ópera, composta por aulas, debates, entrevistas e a montagem de um espetáculo inédito. O “Ateliê de Criação: Dramaturgia e Processos Criativos” teve início em agosto, é realizado no formato on-line e, além de ter o Geraldo Carneiro como orientador, conta com as participações de renomados artistas, pesquisadores e jornalistas brasileiros e estrangeiros, como André MehmariAntonio RibeiroDenise GarciaMauricio De BonisThais MontanariJoão Luiz Sampaio, entre outros.

Entre as atividades da Academia de Ópera complementar ao “Ateliê de Criação: Dramaturgia e Processos Criativos”, será transmitida, no dia 9 de outubro (sábado), às 15h, pelo site da Fundação Clóvis Salgado, a Live “Conversa com Geraldo Carneiro”, que integra a série de encontros virtuais gratuitos acerca do campo da dramaturgia e suas interseções com outras áreas, como composição, encenação, programação artística e crítica musical.

Jornalista João Luiz Sampaio | Imagem: Divulgação

O jornalista musical João Luiz Sampaio (editor executivo da Revista Concerto, colaborador do jornal O Estado de S. Paulo e organizador da coletânea “Ópera à Brasileira”) será o condutor da conversa com Geraldo Carneiro sobre dramaturgia musical, através de um percurso por sua carreira, sua experiência como libretista, suas parcerias antológicas com músicos populares de diversas gerações e seu trabalho como orientador no Ateliê de Criação.

Para Livia Sabag, Geraldo Carneiro é um dos maiores guardiões do conhecimento sobre dramaturgia musical no nosso país. “Ele é um dos raros artistas que tem uma grande e profunda experiência em tudo o que a área envolve. Além de ser poeta, músico e escrever para teatro, cinema e televisão, é libretista e um dos grandes letristas da nossa música popular. Esse trânsito entre gêneros e linguagens faz dele um artista muito completo”, revela a curadora Livia Sabag.

Além da Live “Conversa com Geraldo Carneiro”, este ciclo de eventos contará com a participação de artistas e pesquisadores renomados, brasileiros e estrangeiros, como o maestro e diretor artístico belga, Bernard Foccroulle; o dramaturgista alemão Johannes Blum; o compositor, administrador de empresas e diretor artístico Paulo Zuben; o musicólogo, filósofo e coordenador do Grupo de Teoria e Crítica Musical do CESEM, João Pedro Cachopo; entre outros. Essa programação será realizada durante 3 meses, sempre aos sábados, entre 15h e 17h, e serão transmitidas ao vivo ao vivo com acesso por esta página.

 

 A criação de Libretos – Para participar do “Ateliê de Criação: Dramaturgia e Processos Criativos” foram selecionados profissionais interessados no Teatro de Ópera e em seus processos criativos, como escritores, cantores, regentes, diretores de cena, compositores, musicólogos, gestores, produtores, jornalistas, educadores, pianistas e intérpretes em geral. Eles se reúnem desde o mês de agosto passado e foram selecionados cinco deles para escreverem os libretos que serão encenados no final do ano, no Grande Teatro Cemig Palácio das Artes.

Os cinco libretos serão baseados numa mesma obra de um importante escritor mineiro. De acordo com Geraldo Carneiro, todos os libretistas terão a liberdade de escrever o que desejarem. “Cada libreto terá uma forma de composição e uma visão de mundo, obviamente. Respeitando a diversidade, não haverá um esforço de unificar os trabalhos”, explica Geraldo Carneiro.

O membro da Academia Brasileira de Letras ressalta ainda que a qualidade artística dos participantes é surpreendente. “Já ministrei muitos cursos de criações literárias, quando essa ideia ainda era novidade no Brasil, na década de 1980. Nunca encontrei um grupo com um nível tão alto e excelente. Fora que a condução dos dois curadores, Livia e Gabriel, são de extrema delicadeza e competência, criando uma atmosfera de bem-estar e compreensão. São parceiros admiráveis”, observa Geraldo Carneiro.

A Live “Conversa com Geraldo Carneiro”, da Academia de Ópera 2021, integra a Temporada de Ópera on-line 2021 da Fundação Clóvis Salgado e é realizada pelo Governo de Minas Gerais / Secretaria de Estado de Cultura e Turismo, pela Fundação Clóvis Salgado, e correalizada pela Appa – Artes e Cultura. Tem como apresentadora do Programa a  Unimed-BH / Instituto Unimed-BH¹, e como patrocinadores a Cemig e a AngloGold Ashanti, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

¹ O patrocínio da Unimed-BH / Instituto Unimed-BH é viabilizado pelo incentivo de mais de cinco mil médicos cooperados e colaboradores

A Fundação Clóvis Salgado é integrante do Circuito Liberdade, complexo cultural sob gestão da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) que reúne diversos espaços com as mais variadas formas de manifestação de arte e de cultura em transversalidade com o turismo. Trabalhando em rede, as atividades dos equipamentos parceiros ao Circuito buscam desenvolvimento humano, cultural, turístico, social e econômico, com foco na economia criativa como mecanismo de geração de emprego e renda, além da democratização e ampliação do acesso da população às atividades propostas.

 

Geraldo Carneiro – Nascido em Belo Horizonte, publicou dezessete livros de poesia e prosa, entre os quais o título “Poema Reunido”, publicado em 2010, em coedição da Nova Fronteira com a Biblioteca Nacional. Escreveu mais de duzentas letras para músicas de compositores, como Egberto Gismonti, Astor Piazzolla, John Neschling, Francis Hime, Nando Carneiro, Wagner Tiso, Martinho da Vila, entre outros parceiros. Teve músicas gravadas por Vinicius de Moraes, Antônio Carlos Jobim e Ney Matogrosso, entre outros.

Como tradutor, teve diversos textos teatrais encenados: “A Tempestade”, “As You Like It”, “Antonio & Cleópatra”, “Romeu & Julieta”, “Rei Lear e Otelo”, de William Shakespeare, “Fausto”, de Goethe, além de textos originais, como “A Bandeira dos Cinco Mil Réis”. Escreveu roteiros para cinema e TV, recebendo prêmios como o Emmy International, em 2012, por sua adaptação da novela “O Astro”, em parceria com Alcides Nogueira.

Escreveu libreto para a ópera performática “Manu Çaruê” (1988), com música de Wagner Tiso. Compôs também libretos para as seguintes óperas de câmara: “Na Boca do Cão” (2017), com música de Sérgio Roberto de Oliveira, e “Migrações” (2019), com música de Beto Villares e Armando Lobo. Escreveu poema-libreto para a cantata Carnavais (1988), com música de Francis Hime, e letras para Sinfonia do Rio de Janeiro de São Sebastião (2000), do mesmo compositor. Recebeu o Prêmio José Sarney e o troféu Ana Cristina César pelo melhor livro de poesia de 1988. Em 2020, recebeu o Grande Prêmio Cidade do Rio de Janeiro, pelo conjunto de sua obra. Em 2016, foi eleito para a Academia Brasileira de Letras.

 

Academia de Ópera 2021 – Este ano, a Academia de Ópera conta com a participação de investigadores e artistas da Linha de Estudos em Ópera do prestigiado Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical – CESEM, unidade de investigação de carácter interdisciplinar, sediado em Lisboa, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa, parceira desta edição da academia.

Todas essas atividades celebram os 50 anos do Palácio das Artes e um dos objetivos da Academia de Ópera é promover especialização dramatúrgica sobre a ópera a partir de uma série de atividades práticas e teóricas que abordam as relações entre texto e música, a escrita de libretos, os processos criativos de espetáculos músico-teatrais, a dramaturgia musical em língua portuguesa, as releituras cênicas de títulos do repertório tradicional, o dramaturgismo e a crítica musical.

“A Academia de Ópera 2021 conecta o cenário da ópera, sobretudo em Minas Gerais, com os profissionais de teatro e literatura, unindo forças com escritores, jornalistas, poetas, diretores de teatro, músicos e cantores. O intuito é criar novos títulos, estimular o diálogo da ópera com outras manifestações artísticas e com o nosso tempo, além de fomentar o mercado da ópera a partir da criação de obras inéditas”, revela o curador Gabriel Rhein-Schirato.

 Consta também na programação da Temporada de Ópera 2021 a série de cinco episódios de Ópera! O podcast da música lírica, que tem concepção e direção de João Luiz Sampaio (Jornalista e crítico musical) e Nelson Rubens Kunze (fundador, diretor e editor da Revista Concerto). O primeiro episódio intitulado “Voz: a alma da ópera” já está disponível no canal do YouTube da Fundação Clóvis Salgado e nas seguintes plataformas digitais: Spotify, Apple, Google, Deezer, Amazon, Castbox e Overcast. Todos serão lançados quinzenalmente, até o dia 25 de novembro.

A sétima arte também marca presença na Temporada de Ópera on-line 2021. No dia 5 outubro tem início a Mostra de Cinema e Ópera. A curadoria é assinada por Julianna Santos, diretora cênica.

Para Eliane Parreiras, presidente da Fundação Clóvis Salgado a Temporada de Ópera 2021 tem impactos e diálogos com todo o Brasil e tem como objetivo difundir a ópera como linguagem acessível a todos. “A edição desse ano é resultado da edição passada em que fizemos reflexões profundas sobre o fazer operístico. Estamos colhendo os impactos causados pelas discussões transversais entre as linguagens, a presença das mulheres em espaços de decisão, bem como o encontro de linguagens em uma mesma obra. Vivemos um momento muito rico, em uma ação inédita no Brasil, que é provocar novos saberes e fazeres no campo operístico. O resultado final do Ateliê de Criação, será o coroamento de todo esse esforço que vai unir artistas de campos distintos em uma unidade narrativa que resultará na encenação de um espetáculo. Da mesma forma, provocaremos discussões também em plataformas digitais, por meio de 5 episódios de podcasts e também na Mostra de Cinema e Ópera”, revela.

 

INSTITUTO UNIMED-BH – Associação sem fins lucrativos, o Instituto Unimed-BH, desde 2003, desenvolve projetos socioculturais e ambientais visando a formação da cidadania, estimular o bem-estar e a qualidade de vida das pessoas, ampliar o acesso à cultura, valorizar espaços públicos e o meio ambiente. Ao longo de sua história, o Instituto destinou cerca de R$140 milhões por meio das Leis municipal e federal de Incentivo à Cultura, viabilizado pelo patrocínio de mais de 5,2 mil médicos cooperados e colaboradores. No último ano, mais de 7 mil postos de trabalho foram gerados e 3,9 milhões de pessoas foram alcançadas por meio de projetos em cinco linhas de atuação: Comunidade, Voluntariado, Meio Ambiente, Adoção de Espaços Públicos e Cultura, que estão alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030. Neste ano, todas as iniciativas do Instituto celebram os 50 anos da Unimed-BH. Clique aqui e conheça mais sobre os resultados do Instituto Unimed-BH. Parceiro da Fundação Clóvis Salgado desde 2000, contribui para a manutenção dos corpos artísticos (Cia. de Dança do Palácio das Artes, Coral Lírico e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais) por meio do patrocínio à Temporada de Óperas.

 

FUNDAÇÃO CLÓVIS SALGADO – Com a missão de fomentar a criação, formação, produção e difusão da arte e da cultura no Estado, a Fundação Clóvis Salgado (FCS) é vinculada à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult). Artes visuais, cinema, dança, música erudita e popular, ópera e teatro, constituem o campo onde se desenvolvem as inúmeras atividades oferecidas aos visitantes do Palácio das Artes, CâmeraSete – Casa da Fotografia de Minas Gerais – e Serraria Souza Pinto, espaços geridos pela FCS.  A Instituição é responsável também pela gestão dos corpos artísticos – Cia. de Dança Palácio das Artes, Coral Lírico de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais –, do Cine Humberto Mauro, das Galerias de Artes e do Centro de Formação Artística e Tecnológica (Cefart). Em 2020, quando celebrou 50 anos, a FCS ampliou sua atuação em plataformas virtuais, disponibilizando sua programação para público amplo e variado. O conjunto dessas atividades fortalece seu caráter público, sendo um espaço de todos e para todos.

 

>>INFORMAÇÕES GERAIS<<

O quê? Geraldo Carneiro participa de Live sobre a inédita formação de dramaturgia operística no Brasil
 Quando? 09/10
 Onde? Site da Fundação Clóvis Salgado
 Entrada? Gratuita
 Informações para o público (31) 3236-7400