Carregando...
Iepha/MG

AFROMINEIRIDADES É FINALIZADO COM FÓRUM DE DEBATES NESTA QUARTA-FEIRA

Na tarde desta quarta-feira, o Programa de Proteção da Cultura Afro em Minas Gerais – Afromineiridades – contou com um fórum virtual, registrando a presença de participantes de todos as regiões do Estado

Realizado pela parceria da APPA – Arte & Cultura com o IEPHA-MG, o debate desta tarde foi conduzido pelo grupo de trabalho composto por membros indicados por entidades representativas e participantes inscritos pela plataforma do Sympla. O Fórum foi o momento de escutar os grupos detentores de bens culturais, com o objetivo de conhecer suas realidades, identificando quais suas principais demandas e necessidades, a fim de garantir sua salvaguarda. 

Durante o encontro virtual, foi possível também abordar conceitos importantes relacionados à noção de patrimônio cultural e suas diversas manifestações e o seu sentido de preservação para a sociedade e como preservar as referências culturais relevantes para os grupos de matrizes africanas. 

Conceitos como memória e identidade coletiva, diversidade cultural, cidadania e sustentabilidade, associados à trajetória das comunidades pautaram todo o trabalho desta tarde. A participante Pedrina Santos, Capitã de Massambike de Oliveira – MG; lembrou que a presença da religiosidade também está dentro desse conceito que é visto quase sempre pelo lado cultural. Para ela a religião é muito presente nessas manifestações. A líder quilombola Mírian Aprígio, do Quilombo dos Luizes, destacou a importância de trazer essa cultura tão diversa e diversificada para o debate e entender sua presença dentro da cultura regional que nos cerca.

O Programa de Valorização da Cultura Afro em Minas Gerais – Afromineiridades – tem como objetivo gerar reflexões e debates acerca da noção de afro-mineiridade e sua presença em nossa sociedade, identificando quais as demandas e proposições para a proteção e valorização dos bens culturais relacionados à cultura afro em Minas Gerais e no Brasil. 

O Programa está dividido em quatro ações que ocorrerão nos meses abril, maio e junho deste ano, sendo a primeira delas a deste mês e as próximas pautadas pelos temas:

Seminário sobre a proposta de Registro dos Congados e Reinados de Minas Gerais como Patrimônio Cultural Imaterial;

Seminário sobre a proposta de Registro das Comunidades Quilombolas em contexto urbano de Minas Gerais como Patrimônio Cultural Imaterial;

Seminário sobre a proposta de Mapeamento dos Povos e Comunidades de Terreiro de Minas Gerais.

Cada uma dessas ações contará com eventos específicos organizados no modelo de “Fórum de escuta”, metodologia já utilizada pelo IEPHA-MG que permite identificação das principais demandas e necessidades dos representantes de cada segmento identitário. 

Além do Fórum, uma mesa de debate permitirá uma escuta e reflexão qualificada a fim de se aprofundar a discussão sobre o conceito que atravessa a proposta como um todo: as afromineiridades.