Carregando...
Patrimônio Cultural

SEGUNDA ETAPA DO AFROMINEIRIDADES APROFUNDA QUESTÕES LIGADAS À PROTEÇÃO DA CULTURA AFRO

A abertura oficial da segunda rodada do Afromineiridades (Programa de Proteção da Cultura Afro em Minas Gerais) nesta quarta-feira, 27, contou com as boas vindas da Secretária de Estado Adjunta de Cultura e Turismo, Milena Pedrosa. Ela representou o Secretário de Estado, Leônidas Oliveira, sendo sucedida na fala inicial pelo presidente do Iepha-MG (Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais), Felipe Pires. 

Além de destacar toda a pauta do evento, Felipe fez uma apresentação sucinta das muitas ações do Instituto na salvaguarda do patrimônio cultural e religioso da cultura afro em todo o Estado de Minas Gerais. Ele abordou ainda as ações que estão sendo tomadas pelo Iepha-MG para serem adotadas ao longo do ano, dentro do programa Afromineiridades.

A APPA Arte e Cultura atua em parceria com o Iepha-MG desde 2018, gerindo ações de requalificação, promoção e educação para o patrimônio cultural em Minas Gerais.

Após as falas de abertura, a antropóloga Nicole Martins fez uma explanação geral da atuação do Iepha-MG no Estado e uma contextualização das atividades que estão em curso em toda Minas Gerais. Dando sequência ao evento, Nicole Martins, que foi também a mediadora do encontro, fez uma apresentação das participantes do seminário na parte da manhã: as palestrantes Mirian Aprígio, da Comunidade de Mangueiras; Josemeire Alves Pereira, quilombola e historiadora e Makota Kidoiale, da Comunidade Quilombola Manzo Nigunzo Kaiango.

O evento seguiu com a mesa temática “As comunidades quilombolas em contexto urbano em Minas Gerais”. 

Afromineiridades seguiu no período da tarde

O evento seguiu na parte da tarde desta quarta-feira, com um fórum de discussão. Trata-se de uma reunião ampliada com representantes e lideranças das comunidades quilombolas em contexto urbano em Minas Gerais e técnicos do Iepha-MG para debater os caminhos do reconhecimento e registro do segmento como Patrimônio Cultural Imaterial de Minas Gerais.

O Projeto Afromineiridades

O Projeto Afromineiridades é uma importante iniciativa do Governo do Estado de Minas Gerais, por meio do Iepha-MG e apoio da APPA Arte e Cultura para compreender e reconhecer a complexidade das contribuições dos grupos de matriz africana que formam as culturas mineiras. 

A partir do Programa de Proteção da Cultura Afro em Minas Gerais, o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico propõe uma série de eventos, debates e interações com lideranças políticas, intelectuais negros, comunidades quilombolas e povos de terreiro. O objetivo é possibilitar caminhos para melhor entendimento dos conhecimentos afromineiros que trazem especificidades em relação aos saberes especializados, manifestações culturais, cosmovisões e modos de vida específicos. 

Trata-se de um momento ímpar para escuta e diálogo com mestres e mestras das culturas provenientes da ancestralidade africana de modo a balizar e criar novas estratégias para as ações de reconhecimento e salvaguarda do patrimônio cultural de Minas Gerais.

O Programa está dividido em quatro ações que ocorrerão até junho de 2022, sendo elas:

  1. Lançamento do Programa de Valorização da Cultura Afro em Minas Gerais – Afromineiridades;
  2. Seminário sobre a proposta de Registro dos Congados e Reinados de Minas Gerais como Patrimônio Cultural Imaterial;
  3. Seminário sobre a proposta de Registro das Comunidades Quilombolas em contexto urbano de Minas Gerais como Patrimônio Cultural Imaterial;
  4. Seminário sobre a proposta de Mapeamento dos Povos e Comunidades de Terreiro de Minas Gerais.

O primeiro evento ocorreu em março e o segundo nesta quarta-feira, dia 27. Os outros dois seguirão o calendário sucessivo: em maio e em junho de 2022.