Carregando...
Cultura

UM CENTRO DE MEMÓRIA VIVA EM NOVA LIMA

Casarão do século XVIII abriga na cidade mineira parte da história do município e da mineração no Estado de Minas Gerais e comemora, neste mês de julho, 28 anos de atividades educativas e culturais

Com o objetivo de criar novas memórias entre os novalimenses e os mineiros, o Centro de Memória AngloGold Ashanti vai comemorar seus 28 anos de existência com ações e programas educativos nos próximos dias 9 e 10 de julho. A APPA – Arte e Cultura atua no local gerenciando o programa Receptivo e Educativo. Realiza também conservação, restauração, catalogação e digitalização de itens do acervo. Além disso, a APPA elabora publicações educativas e materiais didáticos.

Entre as programações das comemorações, estão previstos um café na varanda do Casarão, chamado de Café com Memória, quando os visitantes poderão contemplar durante um café as relíquias que o Centro de Memória abriga. Os visitantes poderão participar também de atividades interativas, com visitas especiais ao acervo, oficina criativa e caça ao tesouro, uma atividade lúdica que desperta no visitante a curiosidade e o interesse para as muitas raridades do Centro de Memória. 

As vagas para as comemorações são limitadas e os interessados precisam apenas fazer suas inscrições pelo WhatsApp 31 – 97200-7978, ou pelo email: centrodememoria@anglogoldashanti.com. O Centro de Memória fica no centro de Nova Lima, na rua Enfermeiro José Caldeira, 7.  

Memória preservada em Nova Lima

A história da mineração em Minas Gerais e da ocupação do município de Nova Lima está preservada e contada no Centro de Memória da AngloGold Ashanti. O Centro, ao preservar a história da colonização inglesa na cidade, conta também a história de Nova Lima, da mineração em Minas Gerais e de como evoluiu a extração de ouro na região, hoje conhecida como Circuito do Ouro, que carrega fortes traços da cultura inglesa, desde a vinda dos primeiros imigrantes, no início do século XIX, até os dias de hoje.

O Casarão

Instalado em um casarão do século XVIII, o Centro de Memória preserva características arquitetônicas e traços do período colonial português, apesar das intervenções que foram realizadas ao longo de sua ocupação pelos ingleses. O casarão serviu de moradia, ponto de apoio às pesquisas para a prospecção de ouro na região e hospedagem, recebendo personalidades importantes, como o imperador do Brasil Dom Pedro II e sua esposa, Teresa Cristina, em 1881. Outros visitantes marcaram a história do Casarão, que hospedou também a Seleção Inglesa de Futebol durante a Copa do Mundo no Brasil, no ano de 1950.

Acervo

O acervo do Centro de Memória guarda itens originais utilizados no início da mineração pelos ingleses no município, a partir de 1834, até os dias atuais. O Casarão preserva itens originais, como mobiliários da época, utensílios de escritório, equipamentos utilizados pela mineração, itens que se relacionavam diretamente com o funcionamento da empresa, objetos de uso pessoal, de decoração e de convívio social.

Somente a parte remanescente do período colonial no casarão possui 25 cômodos, incluindo uma piscina, além de quatro banheiros ativos e quatro inativos, lavanderia, cozinha e despensas, um jardim interno, um externo e varanda. A varanda, em estilo português, possui 24 metros de extensão, com oito portas em madeira, com marcos altos e largos.

Na área externa próxima ao Casarão, no jardim em frente à sua entrada, estão expostos dois meios de transporte usados na época, início do século XX. O primeiro é um carro de boi, primitivo e simples, usado para transporte de cargas e pessoas. Este exemplar diferenciado possui 4 rodas de ferro e um freio na parte inferior. Ele era usado para transportar principalmente o maquinário vindo da Inglaterra, de navio, e que depois era transportado pela via férrea Central do Brasil, que tinha uma estação em Honório Bicalho, lugarejo distante do centro de Nova Lima na época (cerca de 9 km).

Próximo ao carro de boi, também no jardim, debaixo de uma estrutura coberta, encontra-se o segundo meio de transporte da época: um vagão e máquina, componentes do sistema ferroviário implementado em 1913 – o primeiro trem privativo da América Latina a transportar pessoas. 

O Centro de Memória

Inaugurado no dia 29 de junho de 1994, o Centro de Memória foi criado com o objetivo de guardar a história da colonização inglesa em Nova Lima e dar à sociedade um espaço cultural e de informação, preservando a memória da mineração no município, além de contar a história da empresa.

A sua inauguração foi parte das comemorações dos 150 anos da companhia Mineração Morro Velho, hoje AngloGold Ashanti.